Como evitar a hipocalemia?

O nome parece complicado, mas a hipocalemia nada mais é que a baixa quantidade de potássio na corrente sanguínea. Os sintomas quase todo mundo já sentiu pelo menos uma vez durante o treino, principalmente, depois de tomar muitos termogênicos. Cãibras; vômito; disritmias; fadiga e fraqueza.

Essa condição geralmente é negligenciada porque os seus sintomas, a princípio parecem amenos e fáceis de contornar e você deve estar se perguntando por que a baixa de potássio é tão importante?

Saiba que em níveis extremos ela pode provocar até mesmo rabdomiólise (lesão muscular) e paralisia muscular, o que pode incluir o seu pulmão e levar a uma parada respiratória.

Se você não quer passar por nada disso, leia esse artigo, que reúne um resumo das instruções criadas pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) sobre a hipocalemia, além de dicas sobre como preveni-la.

O que é hipocalemia?

O potássio é um eletrólito fundamental para o funcionamento adequado das células nervosas e dos músculos, especialmente as células do músculo cardíaco. Segundo a SBACV, normalmente, o nível de potássio no sangue é de: “3,6 a 5,2 mmol/L. Abaixo de 3,5 mmol/L o diagnóstico é positivo para Hipocalemia. No entanto, quando o nível de potássio está muito baixo, inferior a 2,5 mmol/L, a pessoa requer atendimento médico urgente, pois sua vida pode estar em risco.

Causas

Segundo os médicos, as causas para hipocalemia são diversas, a mais comum é a perda excessiva de potássio na urina, provocada pelo uso de medicamentos diuréticos. Contudo, vômitos e diarreias também podem levar à baixa quantidade de potássio no sangue.

Os autores do artigo da SBACV pontuam ainda que: “a Hipocalemia dificilmente é resultado de uma dieta pobre em potássio, mas pode acontecer.” Confira uma lista com outras possíveis causas:

  • Insuficiência renal crônica;
  • Cetoacidose diabética;
  • Diarreia;
  • Uso excessivo de álcool;
  • Uso excessivo de laxantes;
  • Uso de medicamentos diuréticos;
  • Transpiração excessiva;
  • Deficiência de ácido fólico;
  • Hiperaldosteronismo primário;
  • Vômitos;
  • Uso de alguns antibióticos;
  • Síndrome de Liddle;
  • Síndrome de Cushing;
  • Síndrome de Bartter;
  • Síndrome de Fanconi;
  • Distúrbios alimentares, como anorexia e bulimia;
  • Deficiência de magnésio;
  • Sudorese.

Sintomas

No geral, uma pequena queda na quantidade de potássio na corrente sanguínea não apresenta nenhum sintoma. Entretanto, uma queda maior pode até colocar a vida da pessoa em risco. Segundo o SBACV os principais sintomas incluem:

  • Ritmo cardíaco anormal (disritmias), especialmente em pessoas com doença cardíaca;
  • Fadiga;
  • Paralisia (que pode incluir os pulmões);
  • Constipação;
  • Fraqueza ou espasmos musculares;
  • Lesão muscular (rabdomiólise).

Esse sintomas ocorrem principalmente devido à falta de hidratação adequada. São mais comuns entre os fisiculturistas e atletas iniciantes, que em busca de atingir o peso solicitado precisam realizar a desidratação forçada antes das competições, e resolvem fazer isso sozinhos.

Para perder muito líquido rapidamente esses esportistas despreparados realizam o uso concomitante de diuréticos, termogênicos e uma sequência de atividades aeróbicas.

Contudo a desidratação induzida pode levar à hipocalemia e acabar comprometendo não só a performance, mas também a saúde.

Fique atento e se precisar fazer isso só faça esse procedimento com o acompanhamento de um instrutor profissional!

Diagnóstico e tratamento

Para diagnosticar a hipocalemia faz-se necessário agendar uma consulta com seus médicos e fazer os exames por ele solicitados, geralmente um simples exame de sangue pode constatar o problema.

Os tratamentos para hipocalemia variam, mas no geral são realizados com suplementos de potássio, administrados oralmente, contudo os casos mais graves demandam tratamentos ministrados de forma intravenosa.

Hipocalemia tem cura?

Segundo os médicos do SBACV, sim! Eles acrescentam ainda que: “Em geral, o tratamento de hipocalemia via ingestão de suplementos de potássio costuma resolver o problema. Em casos mais graves, sem o tratamento adequado, uma queda drástica nos níveis de potássio pode causar problemas cardíacos graves, que podem ser fatais.

 

Prevenção

Esteja atento ao uso cuidadoso de medicamentos que provocam a diurese para não acabar desidratado e cheio de caimbras. E por falar em água, uma hidratação adequada e uma alimentação rica em potássio são ótimas alternativas para ajudar a prevenir a hipocalemia. Veja o que você pode incluir em sua dieta para aumentar a sua ingestão diária de potássio:

  • Abacate;
  • Banana;
  • Cereais;
  • Cenoura;
  • Figo seco;
  • Kiwi;
  • Leite;
  • Laranja;
  • Manteiga de amendoim;
  • Ervilhas e feijões;
  • Algas marinhas;
  • Espinafre;
  • Tomates;
  • Germe de trigo.